Blitz News
Notícias
Música
Paula Fernandes comenta hits do 'feminejo'

Paula Fernandes comenta hits do 'feminejo': 'Alguns são para maiores de 18 anos'

Data: 08/05/2017 Fonte: G1

Cantora fala sobre colegas como Marília Mendonça e Maiara & Maraisa. Ela relembra parcerias com artistas internacionais e analisa os 25 anos de carreira.

quilibrando-se entre duas turnês (uma acústica e outra mais completa), Paula Fernandes completa 25 anos de carreira neste ano. Ela segue com repertório que, assim como o das novas cantoras sertanejas, fala sobre relacionamentos. Tenham eles dado certo ou não. "Minha música é uma música de paixão, de sonho. Então não é sofrência, é pureza. Eu tenho esse perfil de pureza”, analisa ela, em entrevista ao G1.

 

"Sou aquela mulher que pegou uma foice, foi abrindo uma clareira enorme em uma mata que era alta, densa, de dificuldade de um mercado dominado por homens", diz Paula, sobre ter ajudado gente como Marília Mendonça e Maiara & Maraisa.

 

"Isso só vem para fortalecer a imagem da mulher nesta fase de empoderamento, é isso mesmo que a gente quer. E eu levanto a bandeira de igualdade, não de detonar o homem, que acho que não tem necessidade. Porque independente do sexo, a gente tem que se respeitar”, conta.

 

E o que dizer das letras de hits que citam bebidas, motel e outros tópicos que passam longe de seu repertório? “Depende de como se fala do tema. Tem uns que são para maiores de 18 anos. Ainda me considero menor de 18 anos”, diz, rindo.

 

Mas, diz aí, sofrência e bebida combinam? “Não é muito minha vibe, não. Eu respeito, acho que cada um tem seu espaço e a criatividade também. Tem o público que curte, não tenho preconceito, não. Mas em vez de ir para o bar, eu vou pra casa”, explica, rindo de novo.

Paula, que tem musicais escritas com Victor e Zezé Di Camargo, conta nos dedos seus parceiros de composição. “É igual escolher pai para o filho. Não é qualquer pessoa. Eu componho com pouca gente. Mas claro que isso não impede que eu componha outras canções com outras pessoas. É muito legal esse contato. Tem que ter essa sintonia principalmente na linguagem. E a gente gosta de música de conteúdo.”

 

Carreira internacional?

 

Além da fase acústico, que deve dar origem a um DVD, 2017 também reforça a ideia de investir em parcerias com gringos. Ela já cantou com Juanes, Alejandro Sanz, Shania Twain e, neste ano, com o espanhol Pablo Lopez. Tantos encontros trouxeram histórias divertidas (veja mais no vídeo acima). A parceria mais polêmica, porém, foi a com o tenor Andrea Boccelli: Paula deixou de cantar parte da música no palco do show em São Paulo, no ano passado.

“Aquilo ali foi realmente as pessoas que distorceram uma situação, que para mim foi normal até certo ponto", recorda. "Porque até então estava ensaiado de uma forma e acabou acontecendo diferente. Aí inventaram que eu não tinha cantado porque esqueci a letra, que estava muito emocionada... Na soma de tudo, foi bom. Mesmo porque eu cantei mais músicas, e ninguém falou. Muita gente acha que eu cantei uma música só. Aliás, a metade", diz rindo.

Entre memes, boatos e redes sociais

 

Paula é fonte de inspiração para memes, seja por figurinos inusitados, letras de músicas ou batendo cabelo nos shows. “Sou campeã do meme”, brinca aos risos. “Eu me divirto, mas acho que tudo tem limite. O limite do respeito. Aquele do Teletubbies eu lembro que foi o melhor de todos. Como eu não percebi que estava a cara do Teletubbies? E realmente estava”, relembra.

Se memes arrancam risadas dela, o mesmo não se pode dizer sobre outro tema: boatos. “Menina, vou te falar... Uma vez, logo que as coisas começaram a acontecer para mim, em uma semana, me arrumaram cinco namorados de regiões e profissões diferentes no Brasil. Eu acho interessante porque não combina nem um pouco com a figura que todo mundo conhece. Me espanta as pessoas acreditarem. Porque eu sou caseira, discreta, pouco falo da minha vida pessoal e mesmo assim ainda pinta isso.”

Apesar do incômodo com esses e outros tipos de boatos, Paula diz que, com o tempo, lida melhor com essa situação. “Sei que estou exposta a partir do momento que sou pessoa pública. Tem gente que fica ali em busca da notícia, então acaba inventando. Acho ruim porque não tem necessidade. Tenho um trabalho que está sempre rendendo notícia. Vou da casa do trabalho, do trabalho para casa, não sou barraqueira. Então, talvez até essa discrição que incomode um pouco.”

Publicidade
Publicidade